Sempre vamos a Deus por necessidade

De tempos em tempos uma velha discussão aparece na igreja: como lidar com pessoas que se aproximam do evangelho em busca de alguma coisa. Somos rápidos em condená-los, mostrando como seu pensamento é limitado. Igrejas ficam lotadas todos os dias por pessoas necessitadas. Muitos entregam seus bens em busca de uma resposta imediata para seus problemas. O que Jesus diria?

É melhor ouvir o que ele disse ao invés de tentar imaginar o que ele diria:

Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” Mt 11:28

Jesus era perseguido todos os dias por pessoas em busca de milagres. Uns buscavam cura, outros libertação, outros alimentos. De fato são inúmeras as passagens que relatam homens e mulheres atrás de Jesus para a solução de problemas específicos. Cegueira, paralisia, fluxo de sangue são apenas alguns dos motivos. Outros buscavam respostas para suas dúvidas, outros aprovação, outros ainda buscavam a libertação política de Israel. De fato é muito difícil encontrar passagens em que as pessoas chegavam a Jesus sem nenhum interesse. Em uma passagem dura de Jesus após a multiplicação dos pães, apenas os doze permaneceram, pois Jesus tinha “as palavras de vida eterna”, mostrando seu interesse na vida que Jesus proporcionaria. Dos 12 à multidão, todos vinham por interesse.

“Se não vir pelo amor, vem pela dor” é uma frase bem corrente em nossas igrejas, no entanto falha ao captar a realidade do ministério de Jesus. De fato apenas a dor nos leva a Deus. O arrependimento genuíno é doloroso e traz consigo o pavor da condenação e um sentimento total de incapacidade. Todos vamos a Deus por necessidade, mas só somos salvos quando percebemos que a reconciliação com Deus é o que de fato precisamos. Deus não precisa de nós, nós precisamos dele. “Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera.” Is 64:4

Nosso grande orgulho é dizer que temos algo a oferecer a Deus. Ah! Como somos arrogantes! Nos salmos não passamos de pó, de sopro. Nossa justiça trapos de imundícia  Se conhecêssemos a Deus de verdade não condenaríamos os inocentes. Somos como os fariseus que se vangloriavam de serem fieis e zelosos. Lamento informar a você que os publicanos de hoje saem justificados e nós condenados. Quando levantamos nosso dedo contra ministérios que mal conhecemos, estamos incorrendo em soberba espiritual. Quem é você para julgar a obra do seu próximo? Já chorou por ele? Já testemunhou pra ele? Já parou para conversar? Ou vai continuar a simplesmente reproduzir seus preconceitos?

Aqueles que mercadejam a fé serão julgados por Deus. Paulo se alegrava por que mesmo assim o evangelho avançava. Você ficaria muito surpreso se visse que muitos desses tem levado mais pessoas ao reino do que você. Você ainda se acha no direito de julgar? Quem pregou o evangelho somente por interesse será castigado por Deus, mas você, que se orgulha de ter a verdade, vai sair impune por esconder essa verdade dos que precisam dela? Não se engane. Quem você pensa que engana? Deus? Se julgássemos a nós mesmos, não seriamos condenados.

Não critique as razões de alguém que está se aproximando de Deus. O filho pródigo voltou porque estava com fome e encontrou um pai de braços abertos. Muitos virão apenas por interesse, mas Deus se mostrará a eles e os dará salvação. A nós resta apenas a alegria de saber que em Jesus os mortos ressuscitam, os cegos veem, os surdos ouvem e a todos é anunciado o reino. Essa é nossa porção. O resto é entender nossa miséria e clamar todos os dias pelas riquezas de Deus em nossas vidas. “bem aventurados os pobres em espírito, pois serão saciados.”  Esse sou eu. Pobre, cego e nu, desesperado todos os dias por mais de Deus, enfrentando batalhas que não sou capaz de vencer, mas com a certeza de que o meu paizinho cuidará de tudo pra mim. Ele é o meu pai, ele é o seu pai. Cheio de dádivas. “galardoador daqueles que o buscam”. Não precisava nos dar nada, mas o seu amor é tão grande que não recusou dar-nos seu filho unigênito. Todo o resto é menor e no tempo certo vai te dar. Confie. Ele não mudou.

Em Cristo

Silvio Barbosa




Tornando-se grande diante de Deus

A sede por poder é uma constante em nossa sociedade desde os nossos primórdios. Homens e mulheres empreendem grande esforço para obter um nome perante a humanidade. Estamos acostumados a elogiar e reverenciar aqueles que atingiram posição de destaque. Estadistas, cientistas de renome, filantropos, homens de negócio. Nosso pensamento sempre se volta a ser como eles.

No cristianismo, enfrentamos a mesma situação: somos ávidos por poder. Isso não é exclusividade nossa, mas mesmo entre os apóstolos podemos observar este sentimento. “Então se aproximou dele a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, adorando-o, e fazendo-lhe um pedido. E ele diz-lhe: Que queres? Ela respondeu: Dize que estes meus dois filhos se assentem, um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu reino. (Mt 20:20-21)” Dois apóstolos querendo posição de destaque no reino. Antes de condená-los, vamos ler a reação dos outros apóstolos.: E, quando os dez ouviram isto, indignaram-se contra os dois irmãos. (Mt 20:24)” Sua raiva não era devido ao zelo do Senhor, mas pela sensação de poderem se tornar integrantes menores do reino.

Jesus em sua sabedoria divina não os recriminou por quererem ser grandes, no entanto, mostrou a eles a chave para a genuína grandeza cristã.: “Então Jesus, chamando-os para junto de si, disse: Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados, e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo; Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos. (Mt 24:25-28)”

Jesus não nos condena por buscar um nome, no entanto mostra que a forma de conquistá-lo é através do serviço. A galeria dos chamados heróis da fé é composta por homens que realmente serviram a Deus com grande sacrifício. Estes receberam grande testemunho de Deus de que o mundo não era digno deles. Deus subverte nossa noção de grandeza. pra nós maior é o que é servido, pra Deus maior é o que serve.

Nós descrevemos Deus como um soberano exigente, a Bíblia descreve Deus como um pai amoroso que tem prazer em fazer coisas boas para seus filhos. Aquele que faz a chuva cair sobre justos e injustos, aquele que faz o sol nascer, aquele que sustenta em suas mãos nossas vidas e todo o universo.

Jesus veio para servir e se continuamos no mundo é pra servir também. Desejo do fundo do meu coração ser o maior cristão vivo na terra, mas sei que para ser teria que me tornar o servo de todos. Muito provavelmente não serei, mas a única forma de me aproximar desse objetivo é servindo. Sigamos este caminho que nos leva a cada momento mais perto de Deus.

Em Cristo

Silvio Barbosa




Fim do Bolsa Família

No último sábado (18/05/2013), um boato sobre a não continuidade do programa social Bosla Família levou milhares de pessoas a agências da Caixa a fim de sacarem o dinheiro antes que acabasse. O desespero tomou conta de grande contingente de pessoas que tem no programa grande parte de sua renda. Não estou aqui pra tratar de política, mas sim pra fazer uma relação com o que chamamos de período da graça.

Jesus morreu para que tivéssemos a chance termos a vida eterna. Qual seria a reação das pessoas se esse período simplesmente acabasse?

“E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos.E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.” Mt 25:11-13

A Bíblia nos afirma categoricamente que o tempo da vinda de Jesus é imprevisível. De uma hora para outra a humanidade como conhecemos não mais existirá. Estamos prontos para este encontro? Estamos prontos para o fim do período da graça? Nossos amigos queridos e familiares estão prontos?

A Bíblia descreve o estado de desespero dos que não aceitaram a oferta de Jesus como “choro e ranger de dentes”, ou seja, um lamento muito profundo, muito maior do que a perda de um beneficio temporal. O fim do Bolsa Família foi apenas um boato, mas a segunda vinda de Jesus em poder pra julgar será algo real. Maravilhosa para aqueles que confiaram na oferta de salvação de Jesus e terrível para aqueles que negaram tal dádiva de amor.

Para fins didáticos: se o bolsa família tivesse terminado no último fim de semana, todos os que não tivessem corrido às agências da Caixa ficariam sem este dinheiro. Na volta de Cristo, as mulheres prudentes o buscaram enquanto era tempo, as néscias quando já era tarde. Aqui fica uma dica “buscai ao Senhor enquanto se pode achar”. Entregue seu caminho a ele no dia que se chama hoje. Fale aos outros do seu amor. Amanhã não sabemos o que nos reserva. Estejamos preparados.

Em Cristo

Silvio Barbosa


Antes de tirar o cisco…

Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?” Mt 7:14

Em um diálogo clássico com os fariseus, Jesus aponta sua grande hipocrisia ao atentar nos erros dos outros antes de fazer um reflexão sobre sua própria vida. Figuras como sepulcro caiado, interior do copo sujo são evidências de uma religiosidade meramente exterior, uma religiosidade carente de sentido real, destituída de verdade. Não se engane, aqueles homens eram os mais respeitados da nação, invejados pelos pobres “pecadores”, que eram constantemente oprimidos por seu legalismo. Somente alguém com a autoridade de Jesus seria capaz de lançar-lhes em rosto sua hipocrisia.

Infelizmente não somos diferentes dos fariseus. Nossa vida cristã muitas vezes está baseada em rituais externos, sem sentido. Julgamos a saúde espiritual uns dos outros pela pura aparência. Nos arvoramos em juízes, sem perceber que quando fazemos isso nos afastamos do crucificado e nos aproximamos dos crucificadores. Jesus foi dado a morte por seu povo, em substituição a ele, mas também entregue diretamente por ele. Jesus morreu por nós, mas muitas vezes nossas atitudes são as mesmas que o levaram a cruz: “ele veio para os seus, mas o seus não receberam”

Vamos colocar a mão na consciência. Quantas vezes olhamos para o nosso irmão e nos julgamos superiores? Quantas vezes ficamos espantados com as palavras “torpes” na boca de outros cristãos? Quantos vezes ficamos assustados com os hábitos dos outros? Quantas vezes dizemos que alguém está frio espiritualmente? Quantos vezes declaramos que uma igreja está morta? ou é corrupta? ou está apenas tentando enganar os fiéis? quem nos deu esse direito de julgar? Quem nos tornou juízes e não mais cumpridores da lei?

“Pela graça sois salvos, isso não vem de vocês, é dom de Deus para que ninguém se glorie”. A autoconsciência nos faria entender que se somos salvos é pelo amor de Deus. Se não pecamos é graças ao agir diário do Espírito Santo. Aliás “se alguém disser que não tem pecado, este é mentiroso”. Todos  pecamos e estávamos destituídos da glória de Deus, mas como pai amoroso pagou um preço altíssimo para que pudéssemos ter comunhão com ele e com os irmãos. Paulo disciplinava a igreja severamente, mas sempre chorando por eles em oração. Não se orgulhava de ser melhor, mas se considerava o pior dos pecadores, totalmente entregue, totalmente grato, totalmente consciente de que sua vida era daquele que o havia livrado da morte.

Amemos de verdade, não apenas de língua  assim tiraremos a trave do nosso olho e então com visão perfeita seremos capazes de ajudar nosso irmão a se livrar de seu cisco.

Em Cristo

Silvio Barbosa


Acertando o Alvo

1 Co 9:25-27 “E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.”
A vida muitas vezes se parece com uma luta. Nosso grande adversário busca todas as formas de nos nocautear.   A notícia triste é que muitas vezes estamos despreparados para enfrentar nossa batalha. Paulo compara o cristão ao pugilista, que calcula bem seus golpes a fim de derrotar seu oponente, no entanto, muitas vezes desperdiçamos nossa energia em coisas menores e acabamos vivendo em derrota.
Quem tem o costume de assistir lutas, nota que os melhores lutadores sempre estudam seus adversários e observam brechas para serem efetivos em seus golpes. Não adianta correr pelo ringue, nem disparar golpes sem alvo. Uma luta é vencida na maioria das vezes pela inteligência e não pela força. Em Eclesiastes 10:10 lemos “Se estiver embotado o ferro, e não se afiar o corte, então se deve redobrar a força; mas a sabedoria é excelente para dirigir.” Ficamos exaustos porque não sabemos como nos portar na luta.
A boa notícia é que temos o melhor treinador do mundo. Jesus teve vitória perfeita sobre os seus inimigos. É dito que na cruz ele triunfou sobre principados e potestades. Ele se declarou vencedor e nos prometeu vitória também. Deus nos faz fortes, mas também nos faz sábios. Não lute as batalhas que não são suas, peça a Deus discernimento para que você cumpra o papel que ele determinou pra você. Escolha as suas lutas, não é vergonha desistir daquelas que você sabe que não pode ganhar. Ouça seu técnico mostrando o adversário certo e dando todas as dicas pra que você tenha vitória.

Em Cristo

Silvio Barbosa