Tempo de recomeçar

Pv 24:16 “Porque sete vezes cairá o justo, e se levantará; mas os ímpios tropeçarão no mal.”

Estamos chegando em mais um final de ano. É normal fazermos planos, tomarmos decisões importantes para o próximo período que chega. Observando o ano que passou, muitas vezes nos frustramos com o planos que fizemos e que não se realizaram. É um período de muita euforia, mas no qual a depressão pode nos atingir. Não sei como você está se sentindo agora, mas creio que tenho um recado de Deus para você: não desista, suas quedas foram previstas por Deus e o ajudarão a chegar no lugar que ele tem planejado para você.

Neste texto de provérbios vemos que o justo caí. Muitas vezes inclusive. Sete era um número que determinava a perfeição, então este seria um número perfeito de quedas. Com isso, Deus está dizendo que o justo se levanta de todos os tropeços que tem na vida. Quer notícia melhor do que essa? Somos humanos e sujeitos a momentos ruins, mas Deus não planeja nossa destruição. Em todos os reveses Deus procura o melhor modo de nos restaurar e nos trazer de volta para o caminho correto.

Então ouse planejar mais um ano. Ouse buscar novos caminhos. Ouse fazer o que você jamais fez antes. “o homem faz planos, mas a resposta certa vem do Senhor.” Planeje, avance, caia, levante. Um ano está prestes a começar e não devemos ficar paralisados com medo de errar ou nos frustrarmos mais uma vez. “Deus tem planos de paz e não de mal pra você.” Não se cobre em demasia, apenas decida viver com Deus e receba apoio e força em todos os dias da sua vida.


Feliz 2013…

Em Cristo

Silvio Barbosa


O maior ato de Interferência da História

Jo 1:14 “E o Verbo se fez carnee habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.” 

Está chegando o dia 25 de dezembro e não poderíamos deixar de falar sobre o nascimento do homem que mudou a história da humanidade. É possível que Jesus tenha nascido em outubro, na época da festa judaica dos tabernáculos, ou barracas. O verbo traduzido como habitou  no texto acima poderia ser traduzido como tabernaculou ou fez sua tenda entre nós. O simbolismo é interessante, mas nós do ocidente comemoramos o natal no dia 25 de dezembro com grandes festas e reuniões familiares.

Podemos pensar que esta festa se tornou demasiadamente comercial, no entanto é uma época bastante propícia para falar do homem que mudou a história. É natural que as pessoas parem para pensar no ano, no que fizeram, como nas retrospectivas da TV  Muitas se abrem para coisas novas, outras se sentem motivadas para visitar uma igreja, tiram tempo para ler uma mensagem bonita. Logicamente o natal movimenta o comércio, mas também faz com que as pessoas parem e olhem para suas vidas, abrindo muitas vezes seu coração para algo diferente de tudo o que viveram.

A história do nascimento de Jesus é uma sequência de milagres  ou seja, uma sequência grande de interferências diretas de Deus no mundo. Uma virgem concebendo um filho é surpreendente para todos no planeta. Não havia inseminação artificial na época, mas Jesus nasceu sem que sua mãe tivesse tido qualquer relacionamento sexual. Deus manifestou seu grande amor, fazendo com que o Deus Filho se tornasse homem, envolto em um corpo de carne como o meu e o seu. Este ato sem precedentes na história é o que nos dá esperança e nos faz ter a certeza de que Deus nos ama e quer ter um relacionamento conosco. O maior ato de interferência da história é Deus salvando aqueles que estavam perdidos.

Você pode ter uma história de vida completamente diferente da minha, mas algo nós temos em comum: ambos temos falhas, cometemos erros, sejam por vontade ou involuntários. É isto que a Bíblia chama de pecado. Isso nos torna imperfeitos, indignos da perfeição divina. Muitas vezes nos enganamos, achando que estamos seguros porque somos melhores que muitos que estão por aí, no entanto a perfeição não admite falhas, por isso a imagem de um Deus perfeito é tão amedrontadora. Como então podemos nos relacionar com a perfeição?

Jesus assumiu a imperfeita natureza humana a fim de se tornar o único homem perfeito. Seu corpo tinha sede, fome, sentia sono, sofreu todas as tentações que possam ser imaginadas, mas não cedeu como diz a Bíblia. Enfrentou seus medos, sacrificou-se grandemente na cruz. No entanto, a cruz não existiria se ele não tivesse nascido. Deus poderia permanecer soberanamente assentado em seu trono no céu, mas escolheu andar entre os humanos porque os amava. O maior ato de interferência é o maior ato de amor que já existiu. Deus nos amou de tal maneira, que deu seu único filho para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha vida eterna. Quem ama interfere, não se omite, busca de todas as formas o bem do ser amado.

Jesus é a maior prova do amor de Deus. Se você já o conhece e sua vida é dele agradeça por mais um ano em sua presença, mas se você não conhece ou ainda não entregou sua vida a ele, aproveite este natal para deixar que Jesus nasça no seu coração. Ele quer te dar a eternidade ao lado dele, basta você querer. Feliz Natal, boas festas e que deus os abençoe ricamente em tudo o que vocês fizerem.

Em Cristo

Silvio Barbosa


O Deus que interfere

Jó 40:8-12 “Porventura também tornarás tu vão o meu juízo, ou tu me condenarás, para te justificares? Ou tens braço como Deus, ou podes trovejar com voz como ele o faz? Orna-te, pois, de excelência e alteza; e veste-te de majestade e de glória. Derrama os furores da tua ira, e atenta para todo o soberbo, e abate-o. Olha para todo o soberbo, e humilha-o, e atropela os ímpios no seu lugar.”


Existe um pensamento muito comum na teologia de hoje que Deus criou o mundo, estabeleceu regras universais e não interfere mais na realidade que produziu. Esse Deus não ajudaria seu filhos a encontrar emprego, por exemplo, por ser uma demonstração de parcialidade. A vida na terra seria uma sucessão de escolhas e os reveses e sucessos da vida não encontram em Deus nenhuma interferência. A divindade  nesse caso, é mais vista como uma influência do que como um ser pessoal capaz de interagir com sua criação.

Este pensamento não falha em sua racionalidade. Tem como pontos fortes a ênfase na responsabilidade humana e se fia em uma ideia de justiça e ética, no entanto  carece de uma fundamentação bíblica. Em todos os momentos da escritura, observamos um Deus que interfere diretamente na realidade terrena. Deus concedeu o paraíso, depois fechou o caminho. Trouxe vitalidade ao ventre de Sarah. Ajudou Jacó com os rebanhos de Labão. Tornou José líder no Egito  Resgatou seu povo com mão poderosa. Interferiu em várias batalhas de Israel.

Tudo isso pode gerar o comentário de que são simbologias extraídas do Antigo Testamento, mas Jesus realizava curas sobrenaturais, tinha poder sobre demônios, era soberano sobre os alimentos. Depois de voltar ao céu, envia o Espírito Santo, dons espirituais, fulmina Ananias e Safira, tira Pedro da prisão, livra Paulo da morte por apedrejamento, o liberta de prisões, etc. Seriam inúmeros casos mostrando a interferência de Deus nos afazeres humanos. De maneira prática Ele gosta de interferir e o faz com sabedoria, em favor daqueles que o buscam.

A mente humana é incapaz de entender os pensamentos e caminhos de Deus. Alguém que pensa que o criador é injusto por abrir portas de emprego aos seus filhos, não percebe que ele pode abrir estas portas dando maior capacidade aos seus, ou mostrando que podem ser mais responsáveis. Quem é capaz de atribuir parcialidade a Deus? Ele é bom para todos que o buscam, mas, segundo as escrituras, escolhe interferir na vida dos que se aproximam dele pela fé. Deus permite ser buscado e escolhido, para então derramar suas bençãos sem medida. Está disponível a todos, mas muitos continuarão fora dessa festa, julgando que são senhores de suas vidas, andando “sem Deus no mundo” como diria Paulo.

Não se engane! O mundo pertence a Deus que não delega suas tarefas às forças da natureza. Ele está dia a dia interferindo e controlando tudo no mundo terreno e no espiritual  A vida não acaba aqui, por isso não tente entender tudo, pois uma dose de mistério nos acompanhará até o término de nosso jornada aqui. Permita que ele seja o seu Deus e veja as maravilhas que ele preparou pra você.

Em Cristo

Silvio Barbosa

P.S.: Até o momento da publicação desse post contamos com 1063 visualizações. Muito obrigado por você que me acompanha. Espero que a jornada seja edificante pra todos.


Rumo aos 1000

Fl 3:14 “Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.”

Certo dia, voltando do trabalho, tive a ideia de um nome de blog que eu achava muito legal: QualquerCoisaGospel. Seria o meu terceiro ou quarto blog. Nenhum fez sucesso ou se tornou relevante, mas como todo brasileiro não desiste nunca, aqui estamos mais uma vez. Hoje estamos próximos da milésima visualização, cada post conta com uma média de 50 a 60 leitores. Pode parecer pouco, mas como escreveu Zacarias: “Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas?” Zc 4:10. Estou muito feliz, e creio que Deus acrescentará muitos mais ao longo dessa caminhada.

Quando se começa um blog, uma ideia sempre surge na cabeça, e para manter-se fiel a proposta é necessário relembrá-la de tempos em tempos. meu objetivo é falar de assuntos teológicos de forma simples, descomplicada, se possível com certo bom humor. A Bíblia foi escrita em linguagem simples para que as pessoas mais simples pudessem entender. É bastante doloroso perceber que os pregadores muitas vezes optam por complicar demasiadamente a mensagem a fim de parecerem mais inteligentes. A mensagem de Cristo não é capaz de salvar ninguém se não for perfeitamente compreendida.

Meu pensamento teológico foi formado no calor de muitos debates, por isso jamais espero que todos concordem comigo. Os comentários do blog estão a disposição de todos que queiram deixar sua opinião, concordem ou não comigo. Obviamente não deixarei de retrucar se não concordar. Creio que na interação há crescimento e nas múltiplas opiniões se encontra a sabedoria. Não mudo de ideia facilmente, mas nao sou tolo o suficiente para afirmar que nunca erre, então se sua convicção discorda da minha, sinta-se a vontade para enriquecer nosso debate.

Por mais feliz que esteja agora, não estou satisfeito. Acredito que enquanto estivermos na terra jamais estaremos, então o melhor é sempre ter o alvo diante de nós, prosseguindo firmes em direção a ele. Não devemos desistir até alcançar o prêmio que está com nosso Senhor Jesus, que sacrificou-se grandemente para nos dar esperança. Andemos juntos “esquecendo das coisas que pra trás ficam” até alcançar o tão sonhado objetivo.

Em Cristo

Silvio Barbosa


Tradição

Mc 7:9 “E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição.”


Dos grandes adversários de Jesus, os mais notórios eram os fariseus. Este grupo  afirmava pureza em seus atos e defendia fervorosamente suas opiniões de acordo com sua interpretação da Torá. Aceitavam todos os livros do antigo testamento da Bíblia protestante, no entanto davam também bastante importância ao testemunho da tradição. Normalmente aceitavam os mandamentos contidos na Bíblia, mas sua interpretação e maneira prática de seguir os ensinamentos dependiam e muito da opinião dos antigos.

Para um observador da época, Jesus pareceria um progressista tentando mudar todas as tradições pré-estabelecidas, porém não era seu objetivo ser modernista, na verdade buscava resgatar a verdadeira adoração ao Deus de Israel com simplicidade e pureza. A devoção que começou com a paixão daqueles que viram os atos grandiosos de Deus, estava então transformada em um conjunto de regras frias que determinavam o que podia ou não ser feito. A devoção sincera dos fundadores do grupo fariseu, se tornou rigidez dogmática destituída de uma genuína adoração a Deus.


É muito fácil condenar este grupo a luz do que a Bíblia nos mostra, no entanto acho mais proveitoso fazermos uma autocrítica, na qual perceberemos que muitas de suas atitudes encontram eco nas nossas. Somos seres provenientes de algum tipo de cultura, seja ela secular ou cristã. Nossa bagagem muitas vezes determina nosso modo de pensar e até mesmo nossa interpretação das escrituras  Não pretendo revogar a dádiva do livre exame das escrituras, no entanto é necessário buscar humildade em nossas posições. Deveríamos nos perguntar se realmente nossa resposta está baseada na Bíblia ou se a estamos usando para defender nosso ponto de vista.

Todos os dias milhares de pregações são proferidas no mundo e creio que todas falhem em maior ou menor grau em entregar o evangelho puro e genuíno. Pedro apóstolo é um exemplo claro disso, quando decide esquivar-se da comunhão com os gentios após a chegada de emissários de Tiago, ou antes mesmo quando estava pronto a recusar os alimentos que em visão Deus o mandava comer. Pedro tinha ali uma série de preconceitos que precisavam ser tratados antes que ele realmente pudesse conceber um gentio salvo. Demorou bastante tempo e uma perseguição para a Igreja do primeiro século começar a evangelizar não judeus. Em suas mentes limitadas Deus esta vindo para salvar seu povo, ou seja, a nação de Israel, no entanto o povo de Deus era muito maior, englobando todos os povos e nações.

Ter idéias pré-concebidas é perfeitamente normal e saudável. É salutar ter opinião sobre as coisas que afetam nosso dia-a-dia, no entanto precisamos fugir das armadilhas que nossos pensamentos colocam diante de nós. Precisamos buscar em Deus a humildade suficiente para julgar opiniões diferentes e se necessário mudar nosso modo de pensar. Somos muito rápidos para responder, muito provavelmente porque já temos ideia formada sobre a maioria das coisas. Precisamos aprender a ouvir, como forma de sermos enriquecidos com a sabedoria alheia. Deus nos faz viver em comunidade e nos ensina na interação com a comunidade. Muitos conceitos eu já mudei por um exame cuidadoso das escrituras, outros por influência de bons autores, mas muitos foram mudados pelo dia-a-dia, pelo convívio com pessoas de carne e osso. Conceitos são frios, então precisamos de muita sabedoria para não ficar apegado demais a eles. Buscar influência em boas tradições é maravilhoso, mas deixarmo-nos escravizar por ela torna nossa vida espiritual em pura hipocrisia.

Em Cristo
Silvio Barbosa

P.S.: Não deixe de comentar no blog, curtir e comentar no face. Sua participação tem muito valor pra mim.

O temor do Senhor

Pv 9:10 “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência.”


Hoje  visualizei pelo facebook  a seguinte frase atribuída a uma cantora evangélica conhecida: “o religioso busca a Deus porque tem medo do inferno, mas um filho de Deus busca o pai porque não suporta a ideia de ficar longe dele (possivelmente Nivea Soares). Entendo o seu objetivo de enfatizar a busca por um relacionamento íntimo com Deus, no entanto, essa frase não capta o espírito do religioso e pode nos fazer esquecer de algumas verdades.


No evangelho de mateus, Jesus nos aconselha a não temer aqueles que matam o corpo, mas sim aquele que tem o poder de matar também a alma. Jesus está claramente falando de Deus e palavra em grego phobeu não significa respeito reverente, mas medo sim, palavra da qual deriva fobia, associada a pânico em português. O autor de Hebreus afirma que “terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo”. A descrição da batalha e destino final dos ímpios no Apocalise é perturbadora. Como conciliar o relacionamento de filho amado e este pavor que uma divindade tão grandiosa é capaz de produzir?


Na verdade precisamos entender que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Não é a sabedoria completa, nem um fim em si mesmo. Temer a Deus está no começo de nossa jornada. Não existe arrependimento antes de entendermos o quanto somos pecadores e merecedores da ira de Deus. Como um filho desobediente que é digno do castigo, somos dignos da morte eterna, separação total e definitiva de Deus. Compreender nossa culpabilidade diante de Deus deve causar pavor, direcionando nossas vidas ao arrependimento. Diz a Bíblia: “levemos em conta a bondade e a severidade de Deus”. Somente vamos até Deus quando entendemos o quão necessitados dele somos e que o inferno é nosso destino se não mudarmos nossa mente. O medo é positivo quando nos afasta do perigo.

O religioso na verdade não teme a Deus, nem tem medo do inferno. Seus ritos religiosos são sua garantia de aceitação no reino vindouro. Sua arrogância o impede de ver que Deus não diz amém para cada frase sua. Em geral ele observa um conjunto de regras, que apenas seus pares são capazes de cumprir e julgam e condenam os outros que não seguem suas regras humanas. O religioso teme a sociedade, teme a opinião pública, teme perder o status de superior aos outros. Temesse aquele que pode matar a alma, jogaria-se em terra clamando por perdão sem demora.

O medo é o caminho para o arrependimento e portanto o caminho para Jesus. No entanto, não devemos parar no temor a Deus, assim como não podemos parar no princípio da sabedoria quando podemos ter a sabedoria toda. Da mesma forma que é terrível cair nas mãos do Deus vivo é maravilhoso ser chamado de filho e sermos participantes da herança. Salvos pela graça temos confiança que nossos acusadores se calam, pois Deus nos justifica. Saber o quanto somos merecedores do inferno nos ajuda a compreender e valorizar o grande sacrifício que Jesus fez por nós. O amor lança fora todo medo, quem teme ainda não está maduro em sua fé, mas imaturo ou não, a grande notícia é que mesmo ainda com medo teremos parte da maravilhosa herança dos filhos de Deus.